Fale com nossa equipe

A importância do contexto no Futebol

Por: Roberto Augusto

Postado

-

Atualizado em

A importância do contexto no futebol para a não-generalização de metodologias e processos nesse esporte.

Nos últimos anos a palavra contexto vem sendo muito empregada no meio do Futebol, principalmente por aqueles interessados em compreender o jogo e as demais áreas inerentes. Aliás, se você acompanha nossos textos, certamente já deve ter se deparado inúmeras vezes com o termo contexto no futebol.

O que é contexto?

Pois bem, antes de começar, vamos nos atentar ao significado da palavra contexto segundo o dicionário michaelis:

Conjunto de circunstâncias que envolvem um fato e são imprescindíveis para o entendimento deste.

Então, contextualizar significa compreender o fato considerando o seu contexto, ou seja, todo o seu entorno, tudo aquilo que pode interferir neste.

Para compreendermos a importância do contexto, de uma forma bem simples e direta, exemplificaremos com o seguinte cenário:

  • Augusto, aluno do 7° ano, tirou 3,0 pontos na prova de Matemática.

E agora, será que somente com essa informação é possível sabermos se Augusto foi bem ou mal na prova em questão? Sem saber, por exemplo, o valor da prova, fica difícil afirmar o quão bom (ou ruim) foi o desempenho de Augusto. Captou a ideia? Entendeu o quão importante é compreender o contexto?

Visto isso, na sequência do texto apresentaremos alguns dos porquês dessa importância, usando como exemplo o treinamento, a análise do adversário e a captação de jogadores. Que fique claro: não vamos nos aprofundar muito em cada um dos tópicos, pois há vários textos já publicados aqui, os quais citaremos no discorrer, que os apresentam de forma mais profunda e completa.

O contexto do treinamento de futebol

Foto: Treino do Bayern de Munich.
Fonte: fcbayern.com

Antes de começarmos este tópico, gostaríamos que você mesmo, após a introdução, buscasse entender o que seria essa contextualização dentro do treinamento, refletindo sobre o assunto. Será que é possível copiar um treinamento e aplicar no seu clube, sem qualquer adaptação?

Primeiramente, em qual clube você se encontra? Quais são os objetivos destes para a categoria no qual trabalha? A preocupação é, caso atue nas categorias de base, em formar jogadores para posterior venda ou para a utilização na equipe principal? Enfim, essas são apenas algumas das várias perguntas que se devem responder para melhor atender as exigências presentes.

Então, após reconhecer as exigências e necessidades do clube, adentramos nos contextos voltados para o treinamento em si. Neste cenário, várias publicações levantam a importância de se treinar, de fato, o jogo. Compreender o jogar desejado pelo treinador, a partir de seu modelo de jogo, e treiná-lo para conseguir executar durante as partidas, é uma das principais contextualizações necessárias. Aliás, falando em modelo de jogo, o mesmo requer adaptações ao contexto, mas, para isso, sugiro que você leia o nosso texto referente ao mesmo.

[…] o treino é que faz o jogo que justifica ou valida o treino

Prof. Dr. Júlio Garganta, citado no livro “Para um Futebol jogado com Idéias”.

Elenco / indivíduos

Outra contextualização é o olhar para o indivíduo. Isso requer um grande conhecimento acerca do elenco, para entendermos as facilidades e dificuldades apresentadas pelos jogadores. Além disso, caso o treino seja para uma categoria dos anos iniciais, cabe se atentar à fase do desenvolvimento cognitivo da faixa-etária, não tornando os treinamentos mais ou menos complexos do que seus jogadores necessitam. 

Para além do mencionado, existe a necessidade de avaliações constantes e de armazenamento destas informações, pois verificar o nível de evolução dos jogadores é fundamental para o ajuste dos treinamentos, buscando sempre potencializar o desenvolvimento destes. Em outras palavras, o contexto exige adequação ao desenvolvimento dos seus jogadores, e, para tanto, existe a necessidade destas avaliações e o armazenamento destas informações para o compreender.

Respondendo à pergunta inicial, cada contexto exige uma abordagem diferente, percebe? Exige inúmeras adaptações. Logo, não existe um treinamento replicável de forma eficiente em diferentes cenários e contextos no futebol, sem a necessidade de adaptações.

A contextualização da análise

www.cbf.com.br

“A necessidade de interpretar os dados recolhidos em função das características específicas das partidas, leva os analistas a focalizarem cada vez mais a sua atenção na relevância contextual dos comportamentos dos jogadores, o que conduz ao estudo da organização do jogo de ambas as equipas em confronto”.

Citado na Tese do Prof. Dr. Júlio Garganta.

Análise do adversário

Para não deixarmos o texto muito extenso, apenas considerarei alguns pontos voltados para análise do adversário. Mas fica claro, como já mencionado acima e o que será dito na sequência, que o mesmo se aplica para as outras diferentes vertentes da análise. Dessa forma, a primeira grande contextualização é a respeito da própria análise, onde a busca por entender de fato as ações devem ir além do superficial.

O que isso quer dizer?

Quer dizer que as ações analisadas devem ser compreendidas no contexto ao qual ocorreram, ou seja, é fundamental buscar os porquês que os levaram a elas. Aliás, caso queira compreender um pouco mais este assunto, sugiro os inúmeros textos publicados por aqui, por exemplo: a respeito do relatório de análise e sobre a necessidade de reconhecer a complexidade do jogo.

Pré-análise do adversário: quais jogos analisar?

Seguindo o texto, outra importante contextualização é acerca da pré-análise. Refletimos: será que é apenas pegar N jogos do adversário para analisar, não importando mais nada? As equipes se comportam sempre iguais, independentemente do adversário, da competição, de fatores climáticos, do mando de campo e de possíveis desfalques, por exemplo? Claramente que não. Então, antes de analisar o jogo, você deve buscar fatores coerentes e aproximados ao que se observará no jogo que sua equipe realizará diante deste adversário. Aliás, cabe incutir na análise fatores inerentes ao jogo, como as mudanças comportamentais induzidas por vantagens ou desvantagens no placar, por conta das possíveis substituições e também possíveis superioridades ou inferioridades numéricas provocadas por expulsões ou lesões após a última possível substituição.

Para encerrar, destaque o possível cenário encontrado no dia da partida. Por exemplo: onde ocorrerá o jogo e como estará o clima neste dia? A equipe mudou de comando ou está pressionada por algum motivo? Enfim, torne sua análise cada vez mais robusta, com informações relevantes que possam agregar informação de qualidade em sua análise.

O contexto no futebol: captação de jogadores

É bem provável que você já tenha participado de uma “peneira”, aquelas avaliações realizadas pelos clubes contendo centenas de crianças, adolescentes ou jovens, todos na expectativa de adentrar as categorias de base do clube. Além disso, caso já tenha participado, também já deve ter refletido acerca da metodologia de avaliação empregada nesta peneira que participou. Não é?

É sobre isso que se trataremos neste tópico. No entanto, não falaremos somente acerca das peneiras, mas sim, considerando todos os processos de captação de jovens jogadores. Neste cenário a contextualização se daria, de maneira inicial e já mencionada acima, em quais são os objetivos da equipe e as necessidades da categoria. Em contrapartida, além dessas questões, algo que se faz necessário quando tratamos de jogadores que nem sempre atingiram sua maturação plena: precisamos considerar o seu potencial de desenvolvimento, o próprio nível de maturação e as diferenças existentes devido à idade relativa. Logo, cada faixa-etária exige uma diferente metodologia de observação, conforme o seu desenvolvimento físico, cognitivo e potencial para desenvolvimento técnico-tático.

Ainda, para concluir, se tratando de jovens jogadores, os fatores referentes à adaptação no local, a influência do possível distanciamento dos familiares e as de cunho escolar, são fundamentais e devem ser incluídas nesse processo.

Concluindo, a generalização é possível?

Então, seria possível seguir a risca, sem a necessidade de adaptações, modelos de sucesso em outros clubes? Existe um molde genérico que vale para qualquer contexto e cenário? Essas questões ficam para a sua reflexão.


Contato do autor:
Instagram: @ralazzarottop

Receba nossa Newsletter

Gostou dos conteúdos do Ciência da Bola? Deixe seu e-mail e te enviaremos mais.