Fale com nossa equipe
A imagem mostra um jovem ouvindo música com fones de ouvido e atrás há uma escadaria cor de laranja que dá acesso à uma arquibancada

O GPS no Futebol: como funciona?

Por: Chrístopher Suhre

Postado

-

Atualizado em

Você, que trabalha com futebol, já deve ter ouvido falar sobre o GPS no meio esportivo. O GPS vem ganhando cada vez mais espaço em clubes, visto que suas informações são muito úteis para identificarmos as cargas do treino ou jogo. Isto é, com o GPS podemos verificar quanto o atleta se desgastou, qual a distância percorrida, quantos sprints em alta/moderada intensidade foram feitos e, também, podemos saber se ele cumpriu o papel tático pedido pelo treinador. Se quiser entender mais sobre o GPS no futebol, acompanhe o texto.

Como funciona o GPS?

O GPS vem da sigla em inglês Global Position Sistem (sistema de posicionamento global). O GPS é um dispositivo que fica conectado a satélites. Atualmente, existem duas formas de calcular as distâncias e velocidades através dos satélites. São elas:

Diferenciação posicional

A diferenciação posicional é calculada através da latitude e longitude. Assim, os satélites calculam sua distância para o dispositivo e, em seguida, criam uma triangulação entre si, verificando onde estava o dispositivo em cada sinal emitido. Para saber a velocidade, é calculado a distância sobre o tempo.

Deslocamento Doppler

Já o método Doppler é um pouco diferente. Aqui, o satélite calcula as rotas do GPS através da frequência de sinal periódico que o dispositivo emite. Ou seja, o deslocamento Doppler trabalha com ondas de frequência. Portanto, dependendo da frequência das ondas emitidas pelo GPS, o satélite sabe a sua localização. O método Doppler possui uma precisão maior na velocidade e acelerações produzido pelo indivíduo.

Muitos dispositivos utilizam a Diferenciação Posicional para saber a trajetória do GPS e, ainda, o Deslocamento Doppler para saber a velocidade e aceleração do jogador.

O que influencia os sinais do GPS?

Fonte: uol.com.br

Como os satélites se comunicam com o GPS através de sinais, é normal que ocorram interferências nesse meio. Algumas das interferências são:

  • Localização ou obstrução ambiental: caso o local da atividade tenha baixo acesso aos satélites ou algumas obstruções ambientais (como prédios, ginásios, montanhas,  etc), pode haver problemas entre os sinais. Assim, você pode perder alguns dados durante a atividade.
  • Número de satélites ligados ao receptor: é de suma importância que os satélites emitam um sinal de qualidade para o receptor. Além disso, é necessário no mínimo 4 satélites para haver a captação dos dados. No entanto, não é recomendado usar dispositivos com menos de 6 satélites.
  • Aparelhos diferentes: cada aparelho tem uma qualidade divergente de sinal emitido. Dessa forma, alguns estudos já comprovaram diferenças nos dados obtidos por dispositivos de marcas distintas. Cabe a você se informar, ver recomendações e escolher o dispositivo que melhor atenda suas demandas.

E para o Futebol, o que o GPS fornece?

Com o passar do tempo, as tecnologias vão se aperfeiçoando. E isso não foi diferente com o GPS. Atualmente, no futebol, podemos adquirir informações de distância percorrida, acelerações e desacelerações, distância em diferentes faixas de velocidade, impactos e dados posicionais. Para entendermos melhor cada uma dessas variáveis, faremos uma listagem abaixo.

  • Distância percorrida: qual a distância total que o jogador obteve na partida, somando as caminhadas, trotes, corridas de costas, deslocamentos laterais, sprints, etc.
  • Acelerações e desacelerações: quantas vezes os atletas aceleraram e desaceleraram durante uma partida.
  • Distâncias em diferentes faixas de velocidade: aqui podemos dividir as velocidades em diferentes faixas: parado, caminhando e trotando, a velocidade máxima é de até 11 km/h. De 11,1 km/h a 14 km/h é configurado como corrida de baixa intensidade, de 14,1 até 19 km/h é corrida moderada. De 19,1 até 23 km/h é corrida em alta intensidade e, após os 23 km/h é configurada de Sprint.

Tabela 1: distâncias obtidas em relação à ação e posição expressa em metros [m]

Fonte: adaptado de Junior (2004).

A partir dos dados acima, é possível identificarmos que a maioria dos esforços físicos acontecem em moderada intensidade. No entanto, há momentos em que o atleta irá acelerar e desacelerar, mudar de direção de forma rápida, atingir velocidades maiores (sprints), etc. Dessa forma, podemos dizer que o futebol é um esporte prioritariamente aeróbico, mas com momentos de grande esforço durante a partida.

O que fazer com as informações do GPS?

Através das informações adquiridas pelo GPS é possível que a comissão técnica verifique se aqueles jogadores atingiram as valências físicas do treino ou jogo. Além disso, podemos acompanhar o desempenho físico ao longo de uma temporada, identificando os momentos em que o atleta tem uma subida, queda ou estabilidade física.

Também podemos comparar as variáveis adquiridas no jogo com as variáveis do treino. Desse modo, é possível identificarmos se o atleta treina naquela intensidade com a qual está jogando. Caso o atleta tenha uma discrepância muito grande nos jogos em comparação aos treinos, podemos evitar futuras lesões, já que ele não treina na intensidade que joga, logo, o músculo pode sofrer uma demanda de carga muito grande e “estourar”.

Dados posicionais no GPS

Os dados posicionais de GPS vêm ganhando muita força no futebol. Mas, o que é isso? Os dados posicionais nada mais são do que identificar quais os locais do campo onde o jogador mais esteve presente. Dentro disso, podemos citar como exemplo o mapa de calor (imagem abaixo).

Mapa de calor do Neymar nas eliminatórias para Copa do Mundo 2022.

Fonte: Sofascore

O mapa de calor é somente um dos exemplos que podemos citar. Podemos identificar o posicionamento do atleta a cada minuto de partida, é possível criar faixas de tempo onde vemos qual existe algum padrão seguido pelo atleta, dentre outras possibilidades.

O GPS no Futebol

Como podemos observar no texto, o GPS é uma ferramenta que traz inúmeros benefícios aos clubes e atletas, desde uma melhora física, passando pela prevenção de lesões e chegando até a parte da tática, onde o atleta pode melhorar posicionamentos no campo.

 Portanto, o GPS é de fundamental importância para clubes que desejam exercer um trabalho de alto nível. Por outro lado, é necessário um pequeno aporte de dinheiro para conseguir esses equipamentos. Visto isso, procure no mercado os dispositivos que melhor atendam a sua demanda.

Caso queira entender mais sobre GPS e todas as possibilidades que ele apresenta, fique ligado no nosso curso AVANÇADO de GPS.


Referências

Unpacking the Black Box: Applications and Considerations for Using GPS Devices in Sports.

Utilização do GPS no futebol.

Imagem da capa: palmeiras.com.br


Contato do autor:

Instagram: @christopher_suhre

Receba nossa Newsletter

A imagem mostra um jovem ouvindo música com fones de ouvido e atrás há uma escadaria cor de laranja que dá acesso à uma arquibancada

Ouça nosso Podcast GRATUITO

Gostou dos conteúdos do Ciência da Bola? Deixe seu e-mail e te enviaremos mais.