Fale com nossa equipe

Fisiologia no futebol: quais metabolismos energéticos estão envolvidos?

Por: Diego Augusto

Postado

-

Atualizado em

Nesse texto iremos discutir, primeiramente, os aspectos da fisiologia no futebol. Entenderemos quais são as formas de obter energia durante o exercício e o quanto é exigente para o atleta participar de um jogo de futebol. Além disso, quais são os mecanismos responsáveis por causar o estado de fadiga no jogador de futebol.

O que é a fisiologia do exercício e sua ligação com o futebol?

A princípio, para compreendermos os aspectos fisiológicos no futebol, é necessário possuirmos conhecimento acerca dos conceitos fisiológicos atrelados a qualquer categoria de exercício. Sendo assim, o corpo humano possui duas grandes vias de obtenção de energia para se movimentar: anaeróbica e aeróbica. A utilização dessas duas vias é definida através da característica do próprio exercício. No entanto, é importante entender que essas vias são usadas simultaneamente e, a categoria do trabalho físico, definirá a predominância entre uma via e outra.

Sistema Anaeróbico

A via energética anaeróbica pode ser dividida em alática e lática. Ou seja, a via energética anaeróbica alática possui, predominantemente, característica de fornecer energia de forma rápida através da creatina fosfato sem a presença de oxigênio. Por exemplo, em exercícios de curta duração, como uma corrida em velocidade máxima em 10 segundos.

Já a via energética anaeróbica lática, está atrelada a exercícios um pouco mais longos, por exemplo, em corridas 400m. Haverá a presença de ácido lático e não utilizará oxigênio. 

Sistema Aeróbico

Já o sistema aeróbico é característico de exercícios de longa duração. Neste sistema, o corpo transforma substratos em energia com a utilização de oxigênio. Podemos citar aqui as corridas de maior duração, exemplo, 3000m, 5000m, 10000m (Powers & Howley, 2000).

FONTE: edwinalvarezy
  • Sprint de 100 m – 80% do ATP produzido vem da degradação da creatina fosfato, 15% da glicólise (anaeróbico) e 5% da oxidação (aeróbico);
  • Corrida de 800 m – cerca de 50% pela glicólise (anaeróbico) e 50% pela oxidação (aeróbico);
  • Corrida de 1.500 m – cerca de 70% da oxidação (aeróbico) e 30% pela glicólise (anaeróbico).

Mas no futebol é assim? Em princípio, esses conceitos descritos acima foram introduzidos para exercícios de caráter contínuo e cíclico, como as corridas e provas de natação. Desse modo, entende-se que em situações como essas que determinam o resultado de uma partida, a predominância é o metabolismo energético anaeróbico (Soares & Rebelo, 2013).

A fisiologia no Futebol

Antes de tudo, é necessário entendermos o que acontece durante uma partida de futebol. O jogo possui duração de, no mínimo 90 minutos. Dessa forma, pode-se afirmar que o metabolismo energético predominante é o aeróbico, pois é considerado um exercício de longa duração. No entanto, durante a partida existem momentos em que os jogadores necessitam realizar ações em altas intensidades, como: correr em velocidade máxima para fazer o gol; realizar uma transição defensiva; e, até mesmo, acelerar para fazer a marcação em um oponente mais próximo. Desse modo, entende-se que em situações como essa a predominância é o metabolismo energético anaeróbico (Soares & Rebelo, 2013).

Logo, o futebol é considerado um esporte misto do ponto de vista energético. Além disso, as ações físicas ocorrem de forma aleatória, por isso se torna importante observar quais são os tipos e a quantidade de movimento realizados pelos jogadores.

Intensidade e alterações fisiológicas no jogador

Uma das formas de identificar os padrões de movimentação dos jogadores é pelo rastreamento durante jogos. Um jogador de futebol percorre em média 8 km a 12 km por jogo. Durante as partidas, grande parte das ações são realizadas em baixa intensidade. Porém, há momentos de maior intensidade em que os jogadores realizam corridas em altas velocidades de forma intermitente. Desse modo, em média, a relação entre trabalho (contração) e repouso de um jogador durante um jogo é 1:12, mas há instantes que a solicitação física aumenta e essa taxa diminui para 1:2. Portanto, nesses momentos de maior intensidade ocorre por consequência:

  • Elevação da frequência cardíaca;
  • Acréscimo no consumo de oxigênio;
  • Aumento da concentração de lactato sanguíneo

Devido a essa alta intensidade das ações e os intervalos incompletos de recuperação ao longo da partida, a capacidade de realizar as ações sofre um decréscimo e isso acontece pela presença do processo de fadiga que ocorre nos jogadores de futebol (Stølen et al., 2005).

Por fim, é notório que a fisiologia atrelada ao futebol possui suas particularidades. No entanto, o entendimento de conceitos gerais ajudam a interpretar as exigências do jogo e auxiliam na preparação dos atletas, visando otimizar o desempenho e diminuir as chances de sofrer alguma lesão que os afaste das atividades.

Contato do Autor:

E-mail: diegoaugustoufs@gmail.com
Instagram: @augustsdiego

Gostou dos conteúdos do Ciência da Bola? Deixe seu e-mail e lhe enviaremos mais.


Deixe seu comentário